Camelos Também Choram

Camelos Também Choram

“Camelos também choram” é um filme altamente sofisticado em vários aspectos, fala sobre inúmeros sentimentos, as conseqüências desses sentimentos no dia-a-dia e o que fazer para compreendê-los e lidar com eles, concreta e imaginariamente.

Trata-se de uma nova fábula, de uma fábula moderna, que em nada fica a dever às do grande Esopo.

Uma fábula, como nos ensina o Dicionário do Houaiss, é uma narrativa curta, em prosa ou verso, que tem entre as personagens, animais que agem como seres humanos, e que ilustra um preceito moral.

Neste caso, a narrativa é cinematográfica mas não deixa de ser uma fábula porque discorre sobre sentimentos humanos profundos e conteúdos de natureza moral e, entre seus personagens, fazendo parte da história, existem também animais.

Os cineastas nos levam a interpretar muito do que vemos, as ações dos animais, como se fossem causadas por estados de espírito semelhantes a sentimentos humanos, num antropopatismo muito bem elaborado. O “choro” da personagem principal, por exemplo, é uma atribuição de motivações e intenções humanas a animais, no caso à personagem principal.

Os diretores Byambasuren Davaa (mongol, nascido em 1971 em Ulaambaatar, Mongolia ) e Luigi Falorni (italiano, nascido em 1971 em Florença, Itália) levaram suas câmeras para o deserto da Mongólia e construíram esse maravilhoso pretenso documentário sobre a intolerância e intransigência personificadas numa camela que renega seu filhote recém-nascido e se recusa terminantemente a amamentá-lo e a cuidar dele, não se sabe porquê.

A história gira em torno das hipóteses sobre as causas do acontecimento e da preocupação que o fato desencadeia nos moradores daquele pequeno povoado formado por pastores nômades da Mongólia que tentam, de todas as maneiras, provocar mudança no comportamento da teimosa Ingen Temee, no trato de seu albino filhote Botok.

A camela desnaturada é linda, (e também grande atriz, por sinal, hehe) engraçada e expressiva como todos camelos. Seu andar, suas “expressões”, são impagáveis. O avô conta uma história, em determinado momento, para “explicar” porque os camelos têm aquele olhar perdido no horizonte: é que em tempos primordiais, diz ele, Deus havia presenteado os camelos com vistosos chifres que carregavam com grande orgulho por serem emblemáticos de coisas importantes que os tornaram merecedores daquele presente. Acontece que veados inescrupulosos pediram emprestado os chifres aos camelos e nunca mais os devolveram. É por isso que eles ficam olhando para o horizonte, com aquele olhar tristonho, misto de expectativa e de angústia, mascando, na esperança de enxergarem, enfim, o veado que chegará para lhes devolver seus vistosos chifres.

The Story of the Weeping Camel, o título original do filme, nos mostra um universo totalmente diferente do que estamos habituados, com todas as diferenças físicas e culturais evidentes naquele núcleo familiar formado por três gerações, os avós, os filhos e os netos. Levam uma vida “simples”, porém plena de sentidos e significados. Os cineastas nos mostram como se divertem, como trabalham, como se relacionam com a vida no deserto, com a criação de ovelhas e camelos e com a civilização que está distante mas não muito, com ameaças latentes ao seu modo de vida bucólico, particularmente a sedutora e onipresente televisão, que lamentavelmente acabam adquirindo.

A trilha sonora do filme merece um comentário especial. Não existe música incidental.

As funções da música no cinema, são a de reforçar, ajudar a contar a história, preparar climas, ressaltar determinado acontecimento, antecipar ações, colocar em relevo determinado personagem ou determinada característica dele, entre outras. No caso do “Camelos”, a música tem também uma criativa e singela outra função: quando surge, aparece a fim de tentar convencer a pouco maternal camela a cuidar do seu filhote. Despertar nela um sentimento escondido ou que não existe. Para isso, os cineastas inventam (seria mais “cinematográfico” que tivessem inventado, apesar de não ser totalmente despropositada a idéia de um ritual assim existir efetivamente) um suposto “ritual tradicional” que é posto em ação, com o chamado de um violinista do vilarejo mais próximo, para realizar, através da música, o que não se conseguiu com diversos outros meios. A ida dos filhos pequenos ao vilarejo, a pequena viagem de camelo que fazem, a busca do músico, sua chegada de moto, os preparativos, o instrumento em si, a música tocada, tudo é muito bem realizado e concatenado.

O filme faz a gente imaginar, quase acreditar, que existem meios possíveis para se lidar com a intolerância e intransigência, basta que saibamos efetuar os “rituais” certos, tocar nos botões emocionais invisíveis mas que existem em todos nós seres humanos, que as coisas mudarão para melhor.

É uma grande fábula que certamente nos deixa mais felizes ao sair do cinema.

Dr. José Roberto Campos de Oliveira

Médico pela Faculdade de Medicina da USP. Especialista em Psiquiatria pela AMB e ABP. Psicanalista pelo Inst. Sedes Sapientiae. Mestre em Ciências pela FMUSP.