Workshop sobre o escrever como de grande utilidade para a prevenção de transtornos psicológicos

Workshop sobre o escrever como de grande utilidade para a prevenção de transtornos psicológicos

O ato de escrever está entre as atividades corriqueiras que podem contribuir para a estimulação cerebral e fazer com que a pessoa possa chegar a novas conclusões que vão melhorar sua visão de mundo e proporcionar diminuição de angústia.

Você não precisa ser um escritor. Deve apenas começar a escrever sobre qualquer tema. Talvez sobre algum tema que considere importante, não apenas importante, mas também estimulante. Isso fará com que suas inúmeras redes neuronais se intercomuniquem de forma nova e esse exercício fará com que seu pensamento se agilize com o passar do tempo.

Estou partindo da premissa que o que leva uma pessoa ao estresse é, em última análise, sua concepção de mundo, a maneira pessoal com que enxerga a vida e com que lida com suas dificuldades. É de se esperar que se a pessoa não ventila suas ideias – que ocorrem em determinados espaços cerebrais, as redes neuronais – não revê suas teorias, não pensa em novas resoluções para problemas antigos, necessariamente estará mais predisposto a fazer com que ideias insuficientes se perpetuem, nunca mudem e que não possa, portanto, responder de maneira mais adequada a determinadas conjunturas da sua vida. A pessoa vive num atoleiro mental.

Se, ao contrário, se acostuma com o exercício de experimentar novas conjunções de ideias, se acostuma a testar determinadas resoluções de problemas de forma diferente da que vinha praticando, adquire um repertório muito maior de estratégias de pensamento que a levarão a novas ações.

Assim como existem simuladores de voo que preparam os pilotos para conduzir aeronaves, a  escrita funciona como uma espécie de simulador de vida que vai trazer subsídios para novas maneiras de estar no mundo. 

Aí está a importância e a explicação do porquê atribuir importância à escrita, mesmo que ela não seja fácil para você em um primeiro momento. Lembre-se que ela não é fácil exatamente porque é uma novidade desconhecida. À medida que você começa seu exercício de escrita, os pensamentos vão se tornando mais rápidos, novas ideias vão surgindo, seu texto vai melhorando paulatinamente. E isso é uma fonte de autoestima que contribui bastante para a diminuição do seu estresse.

Escrevi um livro chamado “O Velho Húngaro” que pode exemplificar isso que estou dizendo. Alguns detalhes relacionados com sua escrita podem ser vistos nesta entrevista que dei ao Ralph Peter Brammann, apresentador do programa “Livros em Revista” que tem como objetivo trazer informações sobre o mundo da literatura. O programa vai ao ar toda quinta-feira as 17h00 pela TV Geração Z – www.tvgeracaoz.com.br   na TV UOL. Clique aqui para ver a entrevista

Dr. José Roberto Campos de Oliveira

Médico pela Faculdade de Medicina da USP. Especialista em Psiquiatria pela AMB e ABP. Psicanalista pelo Inst. Sedes Sapientiae. Mestre em Ciências pela FMUSP.